HACK

No comércio eletrônico, o termo “Taxa de conversão” geralmente se refere à razão entre o número de visitas a uma loja on-line e o número de compras feitas em um determinado período de tempo.

No final das contas, o sucesso do comércio eletrônico se resume à sua capacidade de transformar compradores passivos em clientes pagantes. É por isso que a taxa de conversão é a métrica de todas as métricas.

Receba os artigos da Hack por email
Seja um dos primeiros a receber nossa newsletter com o que há de mais recente e relevante sobre crescimento de negócios.
Seu email estará seguro conosco. Ele será utilizado apenas para comunicação entre a Hack e você.

Por exemplo, se seu site recebeu mil visitas no mês passado e fez dez vendas, sua taxa de conversão seria de 1%.

Se você está gerenciando uma loja on-line no momento, é provável que você tenha comparado imediatamente a métrica de 1% mencionada acima à taxa de conversão da sua própria loja. Como isso se compara?

Ao analisar o conjunto de dados de mais de US$ 13 bilhões em transações de comércio eletrônico nos EUA, a Compass, encontrou que a taxa de conversão média em comércio eletrônico é de 1,33%

A taxa de conversão média em comércio eletrônico é de 1,33%. As melhores estão em torno de 3.6%.

A taxa de conversão média em comércio eletrônico é de 1,33%. As melhores ficam em torno de 3.6%. Click To Tweet

Se você está operando com uma taxa de conversão de 3,6% ou mais, você está entre os melhores do setor.

Quando você olha os dados na tabela abaixo, podemos ver padrões mais interessantes:

  • Entre as lojas de melhor desempenho, os anúncios do Google têm um desempenho melhor do que os do Facebook.
  • Para uma loja média, os anúncios do Facebook e os anúncios do Google têm um desempenho semelhante
  • Entre as lojas médias, o canal Orgânico (da pesquisa do Google) é o de pior desempenho
  • Para os de alto desempenho, o canal Orgânico é um dos melhores canais de conversão
  • O e-mail é, de longe, o canal de melhor desempenho para comércio eletrônico, com as principais lojas atingindo taxas de conversão de quase 10%.

O problema com a generalização das taxas de conversão dos ecommerces

Os consumidores podem se comportar de maneira muito diferente, dependendo do tipo de produto que estão comprando, de quem estão comprando e de onde estão localizados. E todos esses fatores afetam as taxas de conversão de ecommerce.

As pessoas que querem comprar um produto de beleza, por exemplo, não se engajam no mesmo comportamento de compra de alguém que compra um artigo eletrônico.

Outro aspecto que tem um grande impacto nas taxas de conversão é o preço. Produtos caros exigem um processo de compra mais complexo do que os mais baratos, por isso, quando você precisa visitar um site várias vezes para fazer uma compra, a taxa de conversão desse site cairá naturalmente. Pense em quantos sites você visitou antes de comprar seu carro e quanto de pesquisa você colocou para comprar um par de meias.

O que é uma boa taxa de conversão para seu ecommerce?

Você precisa comparar sua empresa com outras semelhantes a ela em tamanho, modelo de negócios, localização, AOV (Valor médio de compra) e a plataforma que estão usando. Todos esses fatores têm uma grande influência no que pode ser considerado uma “boa taxa de conversão”.

Conteúdo gerado pelos usuários: Como eles afetam a taxa de conversão da sua loja virtual?

Conteúdo gerado pelos seus usuários como avaliações, comentários, votos, fotos de instagram podem ajudar muito a conversão da sua loja. Os dados falam por si:


Sobre o autor André Bartholomeu Fernandes rotate

Pós-graduado em Harvard e MIT, André iniciou sua carreira na internet em 2002 levando internet a mais de 4.000 cidades brasileiras com o provedor Samba. Trabalha com empresas nacionais e multinacionais levando soluções de internet focadas em resultados. Seu blog, o Jornal do Empreendedor tem mais de 200.000 leitores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relatório

Tendências do Growth Marketing para 2018

Especialistas dos EUA compartilham as tendências que dominarão 2018.

Baixe aqui