HACK

Ebay: 18 anos de mudanças

Você vê a diferença entre esses dois sites? Os retângulos lustrosos dos anos noventa deram lugar ao design moderno e eficaz dos dias atuais.

Mas as diferenças não são puramente visuais e não foram introduzidas apenas para tornar os sites mais bonitos. Caso você esteja pensando em remodelar seu site em breve, terá que ser inteligente e pensar na funcionalidade para evitar algumas das armadilhas do web design.

Embora possam parecer detalhes para você, eles podem afetar o seu negócio e afastar a maioria dos seus potenciais clientes.

Muitas características das tendências de design de hoje estão lá porque elas têm um propósito para servir. Elas tornam a experiência de seus visitantes mais agradável e lógica.
O problema é que muitos dos sites utilizam alguns recursos que, ao invés de atrairem potenciais clientes, acabam os repelindo. E hoje vamos tentar explicar de que maneira você pode evitar isso para não prejudicar o seu negócio. Veja essa lista do que não fazer!

Design não responsivo

Design não-responsivo X responsivo

De acordo com a StatCounter, em outubro de 2016, um novo marco da internet foi estabelecido: 51,3% do seu uso mundial foi feito através de dispositivos móveis.

E é por isso que seu site deve ser otimizado para smartphones e tablets. À medida que mais e mais usuários passam tempo navegando na web usando dispositivos móveis, os sites responsivos se tornaram uma necessidade.

A importância disso é reconhecida até mesmo pelo Google. A capacidade de resposta de um site para diferentes gadgets se tornou um dos fatores importantes para os rankings dos motores de pesquisa.

Quando se trata de um negócio, a responsividade desempenha um grande papel em transformar visitantes em potenciais clientes. Independentemente do serviço ou do produto que você está oferecendo, as chances são de que quase metade dos seus visitantes visitem seu site através de dispositivos móveis.

Se você não lhes fornecer uma experiência agradável de navegação que facilite a procura das informações que eles precisam, as chances são de que seus potenciais clientes não ficarão no seu site o tempo suficiente para se transformarem em conversões.

Texto corrido

Se você der uma olhada neste ou em algum outro post do blog, verá que usamos parágrafos curtos e divididos por subtítulos em nossos textos. Na maioria das vezes fazemos isso de forma inconsciente, mas esta é uma das boas práticas de Search Engine Optimization (SEO).

Além disso, essa estrutura de texto faz com que o leitor permaneça focado. Textos longos e sem divisões podem entediar as pessoas.

E este não é um método que você deva usar somente nos artigos do seu blog: o mesmo serve para outras páginas do seu site e para as descrições de serviços ou produtos.

Pop-ups

Parece aquele vizinho irritante que pede café emprestado a cada dois dias.

Este é um tema polêmico. Mesmo que muitas pessoas tenham pavor de pop-ups ao ponto de usarem extensões em seus navegadores para que eles não apareçam, ainda existem defensores que promovem este tipo de, digamos, método intrusivo.

Os pop-ups são mais frequentemente utilizados para promover um produto ou para pedir-lhe para assinar uma newsletter ou um serviço. No entanto, sua reputação de ser irritante permanece eterna.

Em 2004, de acordo com testes conduzidos pelo Nielsen Norman Group, 95% dos usuários disseram que acham pop-ups uma experiência negativa na web. Mesmo que hoje os pop-ups sejam menos agressivos do que eram treze anos atrás, eles ainda são desaprovados pela maioria dos usuários.

Navegação difícil

Tornar os recursos mais importantes mais fáceis de serem encontrados.

Se havia algo que me incomodava particularmente como estudante, era o site da minha faculdade. Era ridículo. As informações básicas, como horários e o cronograma das aulas, precisavam de uns cem cliques para serem encontradas.

Para não mencionar a missão de encontrar o email de um coordenador ou a informação sobre o horário que funcionava seu escritório.

No entanto, as informações sobre os últimos seminários frequentados pelos professores e como a faculdade comemorou algum aniversário estavam lá na primeira página.

Se eu não fosse um estudante e se as informações que eu estava procurando não fossem importantes para mim naquele momento, provavelmente nunca teria me preocupado em olhar. Teria fechado o site e buscado no Google por outra faculdade.

A navegação inadequada pode fazer com que potenciais clientes fechem seu site rapidamente.

Tente manter as informações mais importantes o mais visível possível e ao alcance de um ou dois cliques.

Carregamento lento

Este é um problemão. E por dois motivos:

Primeiro de tudo, repele seus visitantes. E, em segundo lugar, pode prejudicar sua classificação nos motores de busca.

O internauta médio é uma pessoa muito impaciente. E sites com carregamento lento são algo que podem espantar possíveis clientes, mesmo que eles não estejam cientes disso.

Se você pensar a respeito, provavelmente seria um desses caras. Quando foi a última vez que você esperou um site carregar e ele levou mais de 15 segundos? Nós fechamos, de modo instintivo, sites que demoram para carregar.

Além disso, se um motor de busca percebe que o seu site leva uma eternidade para carregar e que seus visitantes o estão deixando sem tomar qualquer ação, isso afetará consideravelmente seus rankings.

Uma das maneiras que você pode fazer para que seu site seja mais rápido é usar imagens otimizadas e excluir regularmente os plugins que não usa mais.

Música de fundo

Quando foi a última vez que você visitou um site com música no fundo? Melhor ainda, quando foi a última vez que você gostou da música que estava jogando em tal site?

E não, não tem a ver apenas com o seu gosto musical. Música de fundo pode danificar a velocidade de carregamento do seu site e, como vimos acima, isso é uma coisa a ser evitada.

Além disso, ao longo dos anos, foi demonstrado que as pessoas ficam irritadas com as músicas tocadas em sites.

Se um usuário está visitando o seu site pela primeira vez, pode ser muito difícil para ele encontrar os botões para diminuir o volume (se você se lembrar de incluir esse botão), ou para desligar a música completamente. Irritado, o visitante provavelmente irá apenas fechar a guia e procurar outra solução.

Conclusão

Você, como proprietário de uma empresa, precisa ter em mente que está criando um site para seus clientes, não para si mesmo. Independente de gostar ou não do design por momentos estéticos.

Enquanto você pode estar sentado em sua mesa durante o dia, lendo sobre otimização de sites para dispositivos móveis, os seus clientes podem ser mães correndo para buscarem as crianças na escola ou nômades digitais procurando um restaurante com sinal de Wi-Fi decente.
E, talvez, seja o seu site o único a dar-lhes as respostas certas.


Este artigo foi adaptado do original, “How your website repels possible clients: Rising practices and trends dying out”, de Katarina Andrejević para o blog MWEB.


Sobre o autor André Bartholomeu Fernandes rotate

Pós-graduado em Harvard e MIT, André iniciou sua carreira na internet em 2002 levando internet a mais de 4.000 cidades brasileiras com o provedor Samba. Trabalha com empresas nacionais e multinacionais levando soluções de internet focadas em resultados. Seu blog, o Jornal do Empreendedor tem mais de 200.000 leitores.